The Blue Jeans Rockers, "a primeira banda do rock brasileiro"
* Fernando Rosa
“Acho que o Blue Jeans Rockers foi o primeiro conjunto de rock do Brasil”, afirmou o lendário tecladista Lafayette em entrevista para Senhor F, algum tempo atrás (que reproduzimos abaixo). Se não foi o primeiro grupo nacional a tocar rock and roll, com certeza foi quem gravou o primeiro rock instrumental no país – a música ‘Here Comes The Blue Jeans Rockers’, deles, com Lafayette ao piano. Junto com a versão ‘Não Faça Isso Não’ para ‘Blue Suede Shoes’, um original de Carl Perkins, o tema instrumental foi gravado para o selo Tiger, em 1958.

No entanto, apesar do conhecido registro em acetato – que reproduzimos nesta edição - existe controvérsia sobre o seu lançamento oficial. Lafayette, por exemplo, diz saber da existência do acetato, e só foi ouvir a versão gravada por ele, em 2005, fornecida pelo editor de Senhor F, Fernando Rosa. Além do acetato, em poder de colecionadores do Rio de Janeiro, a única versão existente da música está no CDr ‘Brazilian Instrumental Rarities – Volume 2’, editado por colecionadores do interior de São Paulo. A música também foi executada no programa ‘Senhor F – A História Secreta do Rock Brasileiro’, na Usina do Som.

Formado em 1956, The Blue Jeans Rockers foi o embrião do futuro grupo Luizinho e Seus Dinamites, uma espécie de transição entre o rock dos anos cinqüenta e a Jovem Guarda. Integravam o grupo Luizinho e Luiz Henrique (vocais), Afonso (violão), Lafayette (piano), Don Nilton (baixo), Paixão (sax), Roberto (bateria) e Beliene (violão tenor de 4 cordas). Sob o impacto da explosão do rock and roll, o grupo surgiu no Instituto Lafayette, no Rio de Janeiro, e desenvolveu-se nas rodas do Cine Madri, que ficava em frente ao colégio, e era ponto de encontro de gente como Wanderléa, Tim Maia e Jorge Ben.

Entrevista com Lafayette*

Senhor F - Quando e como você começou a tocar? Qual a tua formação musical?

Lafayette - Eu comecei a estudar aos quatro anos de idade. Estudei oito anos de piano. O curso inteiro era de onze anos, naquela época. Estudei oito anos, e comecei a gostar mais do lado popular. Então, parei de estudar, já sabia o suficiente pra começar a fazer os primeiros conjuntinhos. E foi aí que começou tudo. Estava com doze anos. No colégio que eu estudava, tinha várias pessoas que também se ligavam em música. Eu fiz o ginasial e um pouco do científico em dois colégios, no Colégio Salesiano Santa Rosa, em Niterói, e no Instituto Lafayette, no Rio de Janeiro, que tinha meu nome, mas não tinha nada a ver comigo.

Senhor F - Foi aí que nasceu o The Blue Jeans Rockers, com você, Luizinho e Euclides?

Lafayette - Foi lá (no colégio Lafayette), que nós começamos a formar o Blue Jeans Rockers. Nesse colégio, conheci vários cantores, artistas, que hoje fazem sucesso, como o Luiz Ayrão. Em frente ao Colégio tinha um cinema, que se chamava Cine Madri. Então lá, era praticamente o local de reunião de todo o pessoal que começou a fazer Jovem Guarda, a Wanderléa, Tim Maia, Jorge Ben. Todo mundo se reunia nesse cinema, era o ponto, o lugar em que o pessoal batia papo, trocava idéia e tudo. Ali começou praticamente a idéia do movimento da Jovem Guarda.

Senhor F - Você ouvia o quê na época? Muito rock and roll?

Lafayette - Ouvia muito rock. Elvis, naquela época era o início do Elvis Presley, Neil Sedaka, Little Richard e tudo mais. Foi aí que nós começamos a fazer o Blue Jeans Rockers, baseado nisso. Nós tínhamos três cantores no conjunto. O Luiz Henrique, que era mais para o lado de Elvis Presley; o Luizinho, que era mais variado, ele gostava muito de country, Gene Vincent; e tinha o Cyro Aguiar, que fazia mais o estilo de Pat Boone, ele cantava muito bem as músicas dele, e aqueles roquezinhos country, era muito bom nessa parte. Então, eram esses três os vocalistas do conjunto.

Senhor F - Nessa época, tu já tinha relação com o pessoal que, depois, comandou a Jovem Guarda, especialmente Roberto, Erasmo e Wanderléa?

Lafayette - Isso foi um negócio à parte, um pouco antes da Jovem Guarda. Naquela época do Blue Jeans, a gente ensaiava muito. Era muito assim de um ir na casa do outro, era uma turma, como se fosse uma turma de rua, mesmo. Então, a gente participava de programas de rock ao vivo, eu tenho até troféus que a gente ganhou, como melhor conjunto de rock ao vivo. E chegamos a ter o prazer de acompanhar o Neil Sedaka, quando ele esteve no Brasil. Mas, nosso grande sonho era acompanhar o Elvis, se ele viesse ao país.

Senhor F - O grupo chegou a gravar? A história registra um 78rpm com 'Here Is The Blue Jeans Rockers', de vocês, e 'Blue Suede Shoes', de Carl Perkins.

Lafayette - Existe um acetato, pelo selo Tiger, e eu acho que existe uma única cópia, que eu sempre quis ter, mas nunca consegui. Não sei onde tinha ido parar essa cópia. Deve ter ficado com o Luizinho ou com o Luiz Henrique. E deve ter dado várias voltas por aí.

Senhor F - Esse disco é importante, porque é o primeiro registro de rock instrumental no Brasil …

Lafayette - Acho que o Blue Jeans Rockers foi também o primeiro conjunto de rock do Brasil.

Senhor F - E nesse período, entre o Blue Jeans e o começo da Jovem Guarda, o que rolou?

Lafayette -
Eu não sei precisar o tempo que o Blue Jeans durou. O Blue Jeans durou toda aquela época do rock. Aí foi havendo uma mudança, e eu não lembro bem por que o Blue Jeans se dissolveu. Então, formei o meu conjunto, o Lafayette, Seu Piano e Ritmo, e comecei a fazer bailes. Aí fiquei muito amigo de Luiz Ayrão. Eu ensaiava até na casa dele. Nós fizemos um conjunto bem eclético, que tocava todos os ritmos.

> Ouça aqui a raríssima ‘Here Are The Blue Jeans Rockers’, com o The Blue Jeans Rockers.

* Trecho de entrevista publicada anteriormente em Senhor F.

* Fernando Rosa é editor de Senhor F.